Vida Severina? Não, Divina!

Vida Severina? Não, Divina!

Esses dias vi uma celebridade do meio religioso fazendo um comentário sobre outra celebridade, esta do meio musical, ele parabenizava a amiga e terminava a sua mensagem com : “…. o Brasil deu certo em você!”

Aquilo me chamou uma atenção danada, fiquei incomodada. Tanto que mesmo após um tempo, como isso continuava voltando à minha mente, resolvi escrever sobre o fato.

Na hora em que li o comentário, eu pensei: o Brasil deu certo na Divina, minha diarista, isso sim!

Na Divina e em todas as outras Divinas e Divinos que conseguem sobreviver, apesar da vida Severina que este país oferece para muitos, e João Cabral de Mello Neto definiu tão bem em sua obra Morte e Vida Severina “…aquela vida que é menos vivida que defendida…” Cheia de “…coisas de não: fome, sede, privação…”

Divinas e Divinos que conseguem trabalhar, sorrir, brincar, encarando dificuldades absurdas como a perda de familiares assassinados na porta de casa, roubos constantes, desemprego, transporte urbano ruim; saindo de casa 3 horas antes do horário de entrada no serviço, sem direito a um atendimento básico de saúde, sem educação.

Não conheço a história pessoal das duas figuras que citei no início, muito provavelmente acumulam também casos de superação, de dificuldades, ninguém passa pela vida sem conhecer a dor, admiro e respeito o trabalho das duas. Mas sempre me incomodou um pouco esse culto excessivo que temos aqui por aqueles que se destacam nas mídias sociais, esse vício em celebridades, em famosos, em supostos sucessos.

Só que, agora, isso realmente me preocupa! Cada vez mais entro em contato com jovens que se sentem fracassados, infelizes, ansiosos, aos 22 anos, mergulhando em um processo depressivo porque não são seguidos, curtidos, populares, belíssimos…

Vivem o tempo todo buscando a imagem, o momento, o comentário, o acontecimento que vai levá-los do anonimato ao programa da globo, ou, mais fashion hoje, à entrevista com o YouTuber top, ou aos milhões de visualizações e curtidas. Todos querem ser felizes o tempo todo, mas uma felicidade específica: a “felicidade face”, que possa ser compartilhada, curtida, invejada, que se torne referência, que gere comentários, que dê certo – que seja um sucesso – no Brasil.

Nossas celebridades, principalmente as femininas, não podem envelhecer, vivem em função de plásticas, botox, tratamentos estéticos que simplesmente eliminem as marcas da passagem do tempo, uma coisa que caracteriza a vida humana. Ter rugas hoje, virou sinônimo de baixa autoestima para as mulheres!

“Você não se gosta? Parece. Você não se cuida!”

Encontro muita gente cuidando do exterior, mantendo a casa sempre bonita e pintada por fora. Por dentro, as paredes são infiltradas pela dor, corroídas pela falta de estrutura psicológica para viver uma vida que sim, vai ter muitos altos e baixos, dores, amores, desafetos, falhas, quedas, insucessos. Vida que tem um tempo limitado e cuja passagem faz questão de deixar marcas na nossa pele, no nosso organismo, mesmo que por fora esteja tudo aparentemente igual a anos atrás. Vida que reserva momentos Severinos, em maior ou menor quantidade, para todos.

Minha Divina perdeu o marido para a bebida. Apanhava, separou, enviuvou, morte Severina do ex: “…de fome um pouco por dia de fraqueza e de doença… ataca em qualquer idade, e até gente não nascida.”

Divina Francisca de Paula é um Sucesso! Mulher forte, exemplo de disciplina e foco. De pouca fala, produtiva, esperta. Criou seus 3 filhos sozinha, com a mão forte, hoje todos trabalham, são independentes e educados. Queria fazer plástica, claro, mas preferiu usar o dinheiro guardado para comprar um sítio. Limpou, arou, plantou, já teve cachorro roubado, abóboras também, “sorte que não levaram as galinhas”, faz pamonha com seus milhos da primeira safra, pergunta: Você gosta de doce ou de sal Selma? De doce Divina! Semana seguinte estão na minha geladeira – delícia!

Trabalha comigo faz tempo. Rimos muito juntas. Tem o cabelo alisado, ganhou dos filhos uma escova progressiva, gosta de forró. Para falar de sua formosura, peço licença ao poeta e adapto o texto original para o gênero feminino,

“…deixai-me que diga: é tão bela como um sim numa sala negativa.”

O Brasil deu certo em você querida Divina, que gosta de ser brasileira apesar dos pesares, e em todas as Divinas e Divinos nossos de cada dia. Na realidade, não foi nem o Brasil que deu certo em você, nem o planeta Terra, foi a Vida Real.

Quem sou!

Um ser que gosta muito do humano, que busca aprofundar conhecimentos em áreas estratégicas e que tem força para mexer com gente: Psicologia, Comunicação, Marketing, Coaching.

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?